Quarta, 12 de Agosto de 2020
+595 98274 5952
Dólar comercial R$ 5,41 -0.915%
Euro R$ 6,35 -1.37%
Peso Argentino R$ 0,07 -1.729%
Bitcoin R$ 65.252,79 +1.002%
Bovespa 102.174,4 pontos -1.23%
Economia economia

Com fronteiras fechadas, Paraguai permitirá entregas em Ponta Porã

País vizinho mantém medida restritiva adotada ainda em março, mas abre exceção para entregas em domicílios da cidade sul-mato-grossense

18/06/2020 12h44
1.621
Por: administrador Fonte: r7
Com fronteiras fechadas, Paraguai permitirá entregas em Ponta Porã

O Paraguai anunciou que manterá as fronteiras fechadas, medida adotada ainda em março devido à pandemia do novo coronavírus, mas permitirá entregas em domicílios de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (15) pela ministra de Indústria e Comércio do país vizinho, Liz Cramer.

"As fronteiras são as áreas mais afetadas pela falta de abertura do país, o que ainda não é visto", declarou Cramer em entrevista coletiva após uma reunião de ministros com o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, no início da chamada Fase 3 do retorno gradual às atividades.

 

Desde o fechamento de suas fronteiras terrestres no início de março, Ciudad del Este, a segunda maior cidade paraguaia e que faz fronteira com Foz do Iguaçu, no Paraná, tem sido uma das mais atingidas pela desaceleração econômica. Isso porque boa parte de suas atividades dependem dos brasileiros.

 

Cramer afirmou que, juntamente com outros ministros da área econômica e social, continuará as reuniões nos próximos dias para tentar encontrar uma saída, como a possibilidade de impulsionar o comércio eletrônico ou o transporte de carga, que não parou durante a pandemia.

Outra região da fronteira do Paraguai afetada pelo impacto econômico da pandemia é a cidade de Pedro Juan Caballero, capital do departamento de Amambay, separada por uma avenida de Ponta Porã. Entre essas cidades, há uma proposta de entregas em domicílio.

"O projeto já tem o seu piloto, e vamos poder anunciar que será viável em modo experimental", disse a ministra, que enfatizou que o serviço será supervisionado pelas autoridades sanitárias e pelo cordão militar que garante o fechamento da fronteira.

"Como existem praticamente dois bairros divididos por uma avenida, onde as Forças Armadas estão atuando como contenção, a viabilidade do negócio foi demonstrada", explicou Cramer, afirmando que também está sendo discutido um programa de assistência exclusivamente para os moradores da fronteira.

Publicidade
Fechar anúncio

Volta ao trabalho

A terceira fase da saída da quarentena, que durará três semanas, permite a reabertura de restaurantes, academias, teatros, exames e defesa de diplomas no ensino superior, em meio a medidas protocolares rigorosas.

Veja também: O pior da pandemia já passou na França, diz ministro da Saúde

Nesse sentido, a ministra do Trabalho, Carla Bacigalupo, disse na mesma coletiva que esse período permitirá o retorno ao trabalho de pouco mais de 30 mil trabalhadores do setor de gastronomia. Anteriormente, cerca de 70 mil funcionários do setor formal eram assistidos durante o confinamento por um subsídio do Instituto de Previdência Social.

"O impacto da quarentena foi em março, tivemos um pico em abril tanto de desemprego quanto de suspensões contratuais, e em maio tivemos uma recuperação, ou seja, trabalhadores saindo do estado suspenso", explicou.

 

Em 97 dias de quarentena, o Paraguai registrou 1.289 casos confirmados de coronavírus e 12 mortes por Covid-19.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.